Outras Notícias

Educação para a Paz

  • O Conselho Português para a Paz e Cooperação foi convidado a participar nas Comemorações do Dia Municipal da Comunidade Migrante junto das Escolas Secundárias do Seixal com o Colóquio “A Paz na Atualidade”.

    No passado dia 21, esteve na Escola Secundária Manuel Cargaleiro; no dia 26, na Escola Secundária da Amora; e, no dia 27, na Escola Secundária Alfredo dos Reis Silveira.

    O CPPC teve assim a oportunidade de afirmar os seus valores e de dar a conhecer as suas lutas desde a sua génese, à sua legalização (24 de abril de 1976) e aos dias de hoje.

    Todas as sessões realizadas foram marcadas pela grande recetividade às questões da Paz, da Solidariedade e da Cooperação, bem como aos Valores de Abril e à Constituição da República Portuguesa que os consagra, no contexto de um assinalável trabalho de coesão e inclusão social, realizado pelos Serviços Municipais junto das Escolas e, por outro lado, de uma preocupação efetiva das Escolas no desenvolvimento cívico dos seus alunos.

  • povos culturas e pontes seixal 1 20190518 1627757480

    Integrada no projeto Povos Culturas e Pontes, realizou-se no dia 7 de maio na Escola da Amora no Seixal o “Dia da Paz e Cidadania Global”, tendo o CPPC feito uma intervenção sobre “Os valores da Paz e Cidadania”.
    Foram apresentados os trabalhos e atividades realizados pelos alunos durante os últimos 2 meses sobre “Comércio Justo”, “Migrações” e “Automatização do Trabalho”.
    Estiveram presentes cerca de 100 alunos, além de professores e o Diretor da Escola da Amora.

     

  • projeto povos culturas e pontes seixal 1 20190524 1410573064

    O CPPC participou, no passado dia 16 de maio no Seixal, no encerramento das Oficinas da Paz e Cidadania Global integradas no Projeto “Povos Culturas e Pontes”, organizado pela comunidade escolar do Seixal e Câmara Municipal.
    Armando Farias, da Direção do CPPC, desenvolveu uma “Conversa sobre a Paz” para cerca de 4 turmas compostas por alunos dos 10 aos 16 anos, tendo sublinhado que, para além da ausência de ações beligerantes e de confrontos armados, a ausência de desigualdades económicas, sociais, culturais e políticas é uma condição fundamental na construção da Paz. Focou também o nível das despesas militares e as consequências das guerras com milhões de mortes, estropiados e refugiados.

    Os alunos transmitiram as conclusões das suas experiências desenvolvidas nas salas de aula sobre o tema dos refugiados, comercio justo e automatização do trabalho.

    Foi ainda apresentada uma pequena peça de teatro e foram declamados poemas em diversas línguas (crioulo de Cabo Verde e São Tomé e Príncipe, árabe e português).
    A exposição “Décadas de luta pela Paz” esteve exposta assim como os desenhos sobre Direitos Humanos e a Paz.

    Zulmira Ramos, da Direção do CPPC, participou nas Bibliotecas Humanas transmitindo a sua vivência sobre a viagem em que participou, recentemente, à Palestina, referindo as atrocidades cometidas por Israel sobre o povo palestino.