Outras Notícias

ocupação

  • 13 anos da invasão e ocupação militares do Afeganistão

    Completam-se, no próximo dia 7 de Outubro, 13 anos da invasão e ocupação do Afeganistão. A pretexto dos atentados ocorridos a 11 de Setembro de 2001, em Nova Iorque, os EUA lançaram a denominada “luta contra o terrorismo”, a partir da qual partiram para a agressão a Estados soberanos, para a colocação em causa de liberdades e direitos fundamentais, para a prática sistemática da tortura – uma política de autêntico terrorismo de Estado.

  • 67 anos depois, a ocupação prossegue

    O povo palestiniano assinala, no próximo dia 15 de Maio, o 67.º aniversário da «Nakba» (a Catástrofe), que marca o início da ocupação israelita da Palestina com o seu rol de massacres, deportações, privação de direitos humanos e violências de todo o género sobre a população árabe, que se prolongam até à actualidade.

    Ao declarar unilateralmente a sua independência no território que as armas e o terror almejaram conquistar, Israel desrespeitou o Plano de Partilha da Palestina elaborado no ano anterior pelas Nações Unidas, que dividia o antigo domínio britânico em dois Estados, Palestina e Israel.
    Se Israel teve efectivamente o seu Estado, cujo território não cessa de aumentar, os palestinianos tornaram-se exilados no seu próprio país, divididos entre Líbano, Síria, Jordânia e Egipto. Graças à «Nakba», é palestiniana uma das maiores comunidades de refugiados do mundo.

  • A bandeira da Palestina na ONU é uma vitória e uma demanda: a ocupação deve acabar

    Divulgamos declaração da Presidente do Conselho Mundial da Paz a propósito do hastear da bandeira da Palestina na sede da ONU.

  • Ação de Solidariedade com a Palestina | Braga

    acao de solidariedade com a palestina braga 1 20210529 1907919738

    Decorreu ontem, na Arcada – Braga uma concentração em solidariedade com a Palestina, promovida pelo CPPC, USB/CGTP-IN e MDM, onde se concentraram mais de uma centena de pessoas, contra a agressão e ocupação do Palestina, por Israel.
    A iniciativa contou com as intervenções de João Rouxinol, em nome do CPPC, e de Daniel Rodrigues pela USB de Braga/CGTP-IN.
    Foi lida por Raquel Galego da USB de Braga/CGTP-IN uma Moção a entregar ao Governo Português e a Assembleia da República, onde se exige ao Governo que abandone a sua chocante posição de tratar de forma igual o agressor e o agredido. O que se passa na Palestina não é um conflito, é uma violenta ocupação, ilegal e que atenta contra os direitos humanos, os direitos do povo palestino.
    Foram exibidos cartazes e proclamadas palavras de ordem pelo fim da agressão à Palestina, pela libertação dos presos políticos e por uma Palestina livre.
  • Ação de Solidariedade com a Palestina | Coimbra

    acao de solidariedade com a palestina coimbra 2 20210529 1988003159
     
    Decorreu ontem, dia 25 de maio, uma Caravana de solidariedade com a Palestina e o seu povo, em Coimbra.
    A Caravana, que partiu da Beira Rio, contou com a organização do Conselho Português para a Paz e Cooperação, da União de Sindicatos dos Professores da região Centro /CGTP-IN, Da Associação de Amizade Portugal-Cuba, dos Sindicatos dos Professores da Região Centro/CGTP-IN e do Ateneu de Coimbra. A Caravana denunciou a impunidade de Israel, a ilegal ocupação de territórios Palestinos e exigiu o fim da criminosa agressão contra o povo da Palestina.
    Palestina Vencerá!
  • Ação de Solidariedade com a Palestina | Viseu

    acao de solidariedade com a palestina viseu 1 20210529 1514279011
     
    Teve lugar ontem, dia 24 de Maio, uma Ação de Solidariedade com o Palestina, no Rossio, em Viseu, promovida pelo CPPC, pela USV/CGTP-IN, pelo MDM e pela URAP contra a terrível agressão de Israel contra o povo palestino.
    Foi exigido o fim da impunidade de Israel, dos seus crimes e da sua politica de ocupação, bem como o fim dos criminosos bombardeamentos a Gaza. Exigiu-se ainda que o governo português abandone a sua posição de colocar em pé de igualdade agressor e agredido, que condene Israel pelos seus crimes e que se pronuncie pela defesa do povo palestino e do seu direito a um Estado independente.
    A iniciativa contou com as intervenções de Helena Barbosa, pelo CPPC, e de Filomena Pires, pelo MDM.
    Palestina Vencerá!
  • Caravana | Solidariedade com a Palestina | Coimbra

    caravana solidariedade com a palestina coimbra 1 20210529 1059292296
     
    Fim à agressão e à ocupação na Palestina!
    • É urgente travar a agressão contra o povo palestiniano!
    • É urgente pôr fim aos bombardeamentos israelitas de Gaza que já provocaram largas dezenas de mortos e centenas de feridos – muitos dos quais crianças!
    • É urgente pôr fim à expulsão dos palestinianos das suas casas e terrenos, aos colonatos e à ocupação!
    • É urgente impedir a política de terrorismo de Estado que visa inviabilizar a criação do Estado da Palestina!
    • É urgente pôr cobro à impunidade de Israel, aos seus crimes, às suas reiteradas violações do Direito Internacional!
    Há décadas que o povo palestiniano aguarda a prometida criação dum Estado da Palestina.
  • Criminosa é a ocupação! Palestina vencerá!


    Mais de 700 assinaturas recolhidas! Assine e divulgue!

    http://peticaopublica.com/pview.aspx?pi=PT74233

     

  • EUA cometem ato contra o direito internacional e contra a paz

    ocupacao dos montes gola 1 20190329 1429698182

    A decisão dos Estados Unidos de reconhecer a ocupação dos Montes Golã por Israel é um ato contra o direito internacional e contra a paz.

    A decisão dos Estados Unidos de reconhecer como legitima, a ocupação, por Israel, do território sírio dos Montes Golã, é uma flagrante violação do direito internacional, um desrespeito pelas decisões da Organização das Nações Unidas e um grave atentado à estabilidade e à paz no Médio Oriente.

    O Conselho Português para Paz e Cooperação condena veementemente tal decisão, assumida pelos Estados Unidos e por Israel, e manifesta a sua solidariedade ao povo e à República Árabe Síria.

  • Fim à ocupação da Palestina e aos crimes de Israel!

    fim a ocupacao da palestina e aos crimes de israel 1 20200708 2079785190
     
    No momento em que o actual governo israelita anunciou planos para, já no dia 1 de Julho, proceder a uma nova anexação de territórios palestinos na Cisjordânia, o Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC) mais uma vez denuncia e condena tais planos de anexação, recordando que a grave situação dos palestinos se deve à ilegal ocupação sionista do seu território e ao apoio internacional dos Estados Unidos da América, que suportam militar e economicamente Israel e dão cobertura política e diplomática aos seus crimes. O reconhecimento de Jerusalém como capital de Israel e o plano Trump, dito ‘Acordo do Século’, que na prática impossibilita a criação do Estado da Palestina, são episódios mais recentes de uma longa cumplicidade.
  • Fim à ocupação! Palestina livre!

    fim a ocupacao palestina livre 1 20200526 1852695244

    Assinalam-se a 15 de Maio 72 anos da Nakba, termo árabe para designar a expulsão massiva da população palestina aquando da criação do Estado de Israel, a 15 de Maio de 1948. Este termo, cuja tradução para português será Catástrofe, contém o sofrimento de um povo expulso da sua terra, privado do seu país e sujeito a todo o tipo de violência – de prisões arbitrárias a assassinatos, de massacres à humilhante segregação.

    Assinalar esta data é particularmente importante quando o atual governo israelita anunciou planos para, já no dia 1 de Julho, proceder a uma nova anexação de territórios palestinos.

    Nesta ocasião, o Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC) renova a sua solidariedade de sempre ao povo palestino e à sua heróica luta pelos seus legítimos direitos nacionais, nomeadamente a criação do seu Estado independente, soberano e viável nas fronteiras anteriores a Junho de 1967, com capital em Jerusalém Oriental, e o direito ao regresso dos refugiados.

  • Fim aos colonatos isralelitas

    O Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC) condena o incremento da colonização dos territórios palestinianos ilegalmente ocupados por Israel, que tem o seu mais recente e revelador episódio na aprovação pelo governo israelita de um plano para construir mais 4000 colonatos nas colinas da Jerusalém ocupada.

    Para além do plano que agora foi aprovado, a expressão pública, por parte de deputados israelitas e membros da maioria governamental que é responsável pela política sionista de Israel, da intenção de promover a expulsão da população árabe de Jerusalém é também ela sintomática de uma mentalidade colonialista.

    A expansão dos colonatos, que não tem cessado de se incrementar, inscreve-se na tentativa de impor a ocupação como facto consumado.

    A construção de colonatos é ilegal à luz do direito internacional e viola abertamente sucessivas resoluções das Nações Unidas.

    O CPPC condena mais esta medida do Estado de Israel e lembra as responsabilidades dos EUA e da União Europeia que apoiam e são coniventes com a sua criminosa política sionista e colonialista contra o povo palestiniano.

    É através da unidade e da luta do povo palestiniano e das suas organizações representativas, da luta do movimento pela paz e das forças progressistas em Israel, com o apoio da solidariedade internacional, que se pode vencer a violência e a prepotência das autoridades israelitas, abrindo caminho à concretização do direito do povo palestiniano a um Estado da Palestina, livre e independente, com as fronteiras de 1967 e capital em Jerúsalem Leste, e ao respeito do direito de regresso dos refugiados palestinianos – como impõe o espirito e a letra da Carta das Nações Unidas e exigem inúmeras resoluções da ONU.

  • Palestina

    palestina 1 20190626 1276654465

  • Por uma Palestina livre e independente!

    No dia em que se assinalam 50 anos da ocupação militar israelita, em 1967, dos territórios palestinianos da Cisjordânia, da Faixa de Gaza e de Jerusalém Oriental, e também dos Montes Golã sírios, de parte do Sinai egípcio e das Quintas de Shebaa libanesas, o Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC) reafirma a sua solidariedade e determinação de prosseguir a sua histórica intervenção pela justa causa do povo palestiniano.

    Evocar meio século de ocupação da totalidade da Palestina, que se seguiu a uma primeira vaga de expulsão dos palestinianos com a criação do Estado de Israel, em 1948, é denunciar os sucessivos crimes e massacres cometidos contra a população palestiniana; é recordar as aldeias arrasadas, as terras roubadas, as casas demolidas; é lembrar os milhares de presos, incluindo crianças, e os milhões de refugiados espalhados pelo mundo; é ter presente a humilhação diária que é imposta às populações palestinianas, com os colonatos, os postos de controlo, o muro de segregação, o cerco à Faixa de Gaza, e as dramáticas condições de sobrevivência que são impostas pelas autoridades israelitas e a sua política sionista ao povo palestiniano.