Outras Notícias

Paz

  • O Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC) saúda a atribuição do Prémio Nobel da Paz à Campanha Internacional pela Abolição das Armas Nucleares (ICAN, na sigla em inglês) e considera que esta representa um incentivo à acção de todos quantos intervêm pela abolição das armas nucleares, pelo desarmamento, pela paz.

    Não esquecendo a controvérsia que rodeou a atribuição do Prémio Nobel da Paz noutros momentos, para o CPPC esta atribuição contribui para dar ainda mais força à legítima exigência e aspiração dos povos e do movimento da paz por um mundo livre de armas nucleares e, consequentemente, da ameaça do holocausto nuclear – exigência e aspiração que teve no Apelo de Estocolmo, promovido no início dos anos 50 pelo Conselho Mundial da Paz, a sua primeira e grande expressão ao nível mundial.

  • nos 100 anos do fim da primeira guerra mundial unir esforcos e vontades para defender a paz 1 20181110 1654578179

    Assinala-se no próximo dia 11 de Novembro, o Dia do Armistício, que em 1918 pôs fim à Primeira Guerra Mundial.

    A Grande Guerra, envolvendo as maiores potências económicas e militares da época (de um lado os impérios alemão, austro-húngaro e turco; do outro os impérios britânico, francês e russo e os EUA, entre outros), resultou de rivalidades entre elas pelo domínio de colónias, rotas comerciais e mercados – em nome desses interesses foram sacrificadas 20 milhões de vidas humanas. Neste conflito generalizado, travado na maior parte do tempo nas deploráveis condições das trincheiras, foram pela primeira vez utilizadas – pelo menos em grande escala – armas como aviões de combate, carros blindados, submarinos, artilharia pesada e armas químicas.

  • Em 1 de Agosto de 1975, representantes de 35 países (33 da Europa, mais os EUA e Canadá) subscreveram, em Helsínquia, a Acta Final da Conferência sobre Segurança e Cooperação na Europa, culminando um processo iniciado dois anos antes. Pela primeira vez na história, um tão elevado número de países convergiu em torno de um importante conjunto de princípios reguladores das relações internacionais, segurança colectiva e desenvolvimento de relações de cooperação entre os Estados, entre os quais se destacam matérias tão relevantes quanto: a igualdade soberana dos Estados; a não intervenção nas questões internas dos Estados; a resolução pacífica dos diferendos internacionais; o respeito pelos direitos humanos e liberdades fundamentais; ou a igualdade de direitos e a autodeterminação dos povos.

  • nos 75 anos da carta das nacoes unidas urge defender os principios fundadores 1 20200630 1724813544

    «Nós, os povos das Nações Unidos, decididos:
    A preservar as gerações vindouras do flagelo da guerra que por duas vezes, no espaço de uma vida humana, trouxe sofrimentos indizíveis à humanidade;
    A reafirmar a nossa fé nos direitos fundamentais do homem, na dignidade e no valor da pessoa humana, na igualdade de direitos dos homens e das mulheres, assim como das nações, grandes e pequenas;
    A estabelecer as condições necessárias à manutenção da justiça e do respeito das obrigações decorrentes de tratados e de outras fontes do direito internacional;
    A promover o progresso social e melhores condições de vida dentro de um conceito mais amplo de liberdade;

  • nos 80 anos do inicio da 2 guerra mundial defender a paz mais guerra nao 1 20190911 1223705405

    No momento em que se assinalam 80 anos sobre o início da Segunda Guerra Mundial, o Conselho Português para a Paz e Cooperação lembra as brutais consequências daquele que foi o mais violento e sangrento conflito militar da História, desencadeado pela Alemanha nazi, a Itália fascista e o Japão militarista, responsável pela perda de mais de 50 milhões de vidas e de dezenas de milhões de feridos.

    O nazi-fascismo foi responsável por inúmeros crimes, como o extermínio em massa de populações e prisioneiros em campos de concentração, pela imposição do trabalho forçado, pela destruição sistemática de infraestruturas económicas e sociais e de imenso património cultural.

    Este é também o tempo para recordar todos os que, resistindo e combatendo das mais diversas formas, contribuíram para libertar a Humanidade do nazi-fascismo, alcançar uma paz justa e conquistar para a generalidade da população mundial inéditos direitos políticos, económicos, sociais e culturais e o fim do colonialismo.

  • nova data para o encontro pela paz 5 de junho de 2021 1 20200531 1004096958

    Estava previsto para 30 de maio de 2020 o Encontro pela Paz, em Setúbal, promovido por 12 organizações, incluindo o Conselho Português para a Paz e Cooperação, as Câmaras Municipais de Setúbal e de Loures, a Confederação Geral dos Trabalhadores Portugueses - Intersindical Nacional, a Confederação Portuguesa das Coletividades de Cultura, Recreio e Desporto, a Federação Nacional dos Professores, a Juventude Operária Católica, O Movimento Democrático de Mulheres, o Movimento dos Municípios pela Paz, o Movimento pelos Direitos do Povo Palestino e a Paz no Médio Oriente, a Obra Católica Portuguesa de Migrações e a União de Resistentes Anti-Fascistas Portugueses.

    A crise sanitária provocada pelo coronavírus obrigou ao seu adiamento, o que acaba de ser anunciado numa conferência de imprensa realizada no salão nobre da Câmara Municipal de Setúbal. As 12 organizações promotoras acordaram em nova data - 5 de junho de 2021.

    O cartaz e o panfleto foram também já divulgados e vai iniciar-se a sua distribuição.

    Mantém-se o lema "Pela paz , todos não somos demais" e os temas centrais - Paz e Desarmamento, Cultura e Educação para a Paz e Solidariedade e Cooperação.

    Certos de que a causa da Paz sairá mais enriquecida e reforçada em resultado da reflexão e do amplo contributo de todos, apelamos à sua divulgação e ao empenhamento nas diversas iniciativas que, entretanto, se irão realizar por todo o país.

  • Realizou-se na Bibiloteca Municipal de Setúbal, uma conversa sobre "O desporto e a paz" , a propósito de Setúbal ser a " Capital Europeia do Desporto 2016".

    A iniciativa conjunta da Câmara Municipal de Setúbal e do Conselho Português para a paz e Cooperação (CPPC), contou com a participação do vereador Pedro Pina, de Ilda Figueiredo e João Gordo Martins, da direcção do CPPC e do prof. João Lopes, especialista em desporto.

    No debate assinalou-se, de forma participada, a importância do desporto ao serviço do desenvolvimento e da paz, o que, como foi salientado, foi reconhecido pela própria ONU que, em 2013, criou o Dia Internacional do Desporto ao Serviço do Desenvolvimento e da PAZ, escolhendo o dia 6 de Abril, dia que se iniciou a primeira edição dos Jogos Olímpicos da era moderna no ano de 1896.

    Na conversa, vários presentes sublinharam a importância de escolas, autarquias e associações desportivas darem particular atenção a esta perspectiva do desporto ao serviço do desenvolvimento e da paz, integrando-a numa visão mais global de educação e cultura para a paz e pela paz, o que também será apresentado na iniciativa "Municípios pela Paz", que se irá realizar na Câmara Municipal do Seixal, no próximo dia 29 de outubro, a partir das 14,30, e para a qual estão a ser convidados todos os municípios do país.

  • oito paises dirigem apelo ao secretario geral da onu antonio guterres 1 20200402 1259444599

    Num apelo dirigido ao Secretário-geral da Organização das Nações Unidas, António Guterres, representantes permanentes junto da ONU de oito países – República Popular da China, República de Cuba, República Islâmica do Irão, República Árabe da Síria, República Popular Democrática da Coreia, Federação da Rússia, República Bolivariana da Venezuela e República da Nicarágua – sublinham a necessidade de, face à pandemia global resultante do COVID-19 e do seu grave impacto negativo no bem-estar dos povos, pôr cobro urgentemente às medidas coercivas unilaterais – sanções e bloqueios – que afetam mais de um terço da humanidade.

  • organizacoes europeias da paz reuniram em basel 1 20191001 1271548719

    Nos dias 21 e 22 de Setembro, uma delegação do CPPC coordenou, em Basileia, Suíça, uma importante reunião de organizações membro do CMP que teve a participação de 10 organizações de paz da Europa (Portugal, Espanha, França, Suiça, Alemanha, Dinamarca, Grécia, Chipre, Turquia e Itália), do secretário executivo do CMP, e do secretário geral do COSI - Comité de Solidariedade Internacional e Defesa da Paz, da Venezuela. Foram aprovados documentos e um plano de trabalho para o futuro, estando a ser elaborado um relatório para apresentar na próxima reunião do Comité Executivo do CMP que se vai realizar em 23 e 24 de Novembro,em Laos.

    Esta reunião na Suíça coincidiu com o Dia Internacional da Paz e com o 70º aniversário da organização anfitriã, o Movimento da Paz da Suíça, em cujas comemorações o CPPC também participou.

  •  

    Nas Nações Unidas considera-se que o futuro da Palestina como estado independente está hoje mais ameaçado do que nunca. Isso mesmo foi demonstrado pelo coordenador especial da ONU para o processo de Paz no Médio Oriente, Nickolay Mladenov, na sessão do Conselho de Segurança do passado dia 23 de novembro. Na opinião deste responsável a comunidade internacional deve, pois, intervir mais ativamente para proteger o direito do povo palestino a um estado independente em conformidade com as resoluções já adotadas pela organização.

    De acordo com aquele coordenador especial da ONU, a colonização israelita de territórios palestinos ocupados não só prossegue sem entraves como é apoiada pelo poder de estado. Contra leis e decisões internacionais, o estado de Israel continua a fomentar a construção de colonatos na margem ocidental do rio Jordão insistindo, para tal, nas suas políticas de demolição de infraestruturas e confiscação de terras. Os palestinos tornam-se, assim, deslocados na sua própria terra.

    Com a construção de colonatos o Estado de Israel visa, segundo as Nações Unidas, expulsar os palestinos de vastas áreas de modo a alterar a demografia nos territórios ocupados, a favor dos israelitas.

  • palestina 1 20190626 1276654465

  • Hoje, a presidente da Direcção Nacional do CPPC, Ilda Figueiredo, participou, na Escola Secundária António Sérgio, em Vila Nova de Gaia, numa palestra, com cerca de 100 alunos e alunas, diversos professores e a Directora do agrupamento, sobre a igualdade, os direitos das mulheres e a Paz.

  • O Conselho Português para a Paz e Cooperação felicita Fidel Castro no dia da comemoração do seu 90º aniversário.

    Ao longo da sua vida Fidel Castro tem sido um exemplo de um abnegado lutador pelos por importantes valores, como a Paz, a justiça, a amizade e cooperação entre os povos, a liberdade, a soberania, o progresso, a democracia, a cultura. Ao assinalarmos o seu aniversário comemoramos a defesa desses valores e todos os que neles se reconhecem e que por eles lutam.

    Afirmando que fazemos nossos os seus alertas sobre os perigos para a humanidade, com o risco de novas guerras, tomamos também o seu percurso de vida como um exemplo de luta comprometida com a defesa da Paz, única forma de garantir o futuro para a humanidade.

    13 de Agosto de 2016

    Direcção Nacional do CPPC

  • No passado fim de semana, a presidente da Direcção Nacional do CPPC, Ilda Figueiredo, em representação, participou numa Mesa redonda das Jornadas de Medicina Interna promovidas pela Sociedade de Médicos de Medicina Interna, que decorreram em Viseu.

    Ilda Figueiredo abordou as causas e os responsáveis da situação dos refugiados e defendeu o cumprimento do Direito Internacional, da Carta das Nações Unidas e da Constituição da República Portuguesa, para pôr fim às guerras, defender a negociação política para a resolução dos conflitos, a solidariedade com os refugiados , a paz e o progresso da humanidade.

  • paz e igualdade conversa em vn gaia 1 20200730 1950797559

     

    Realizou-se no Espaço Paz, em VN de Gaia, no passado dia 28 de julho, uma conversa sobre "Paz e Igualdade" em que intervieram António Rocha, especialista em redes sociais, Agostinho Santos, pintor e jornalista e Ilda Figueiredo, presidente da DN do CPPC.
    Estiveram em debate as preocupações centrais do momento presente, com crescimento de desigualdades em Portugal e no mundo, o que é um perigo para a paz e está a ser aproveitado pelos inimigos da democracia para tentar pôr em causa os alicerces do estado democrático, esquecendo a Constituição da República Portuguesa e o Direito Internacional.
    Mas foi também sublinhado que é fundamental pugnar pelo reforço da educação para a paz e da cultura da paz, na defesa dos valores de Abril, incluindo a defesa dos serviços públicos fundamentais, o progresso social, a dignidade humana, a justiça e a igualdade, questões essenciais para salvaguardar a paz e o futuro da humanidade, Foi particularmente evocado o empenhamento, o papel e o contributo dos democratas, dos professores, dos artistas e de todos os amigos da paz, apelando-se a uma intervenção cada vez maior na defesa destes valores da igualdade, da democracia, da liberdade, do progresso social e da paz.
  • paz e liberdade faro 1 20190426 1472907985

    Integrando o programa das comemorações do 45º aniversário do 25 de Abril em Faro, inaugurou-se a exposição "Paz e Liberdade", promovida pelo Conselho Português para a Paz e Cooperação, em parceria com o Centro de Ciência Viva do Algarve.

    Nesta inauguração estiveram presentes e vários dos artistas que nela participam, nomeadamente Margarida Tengarrinha, Dina Dias, Vicente Brito, Elidia ribeiro, Adão Contreiras, Joana Rocha e Marcilio Campina.

  • pela adesao de portugal ao tratado de proibicao de armas nucleares defender a paz e defender a vida 1 20200414 1845918387

    No mês em que se assinalam os 70 anos do lançamento do Apelo e Estocolmo pelo fim das armas atómicas, o Conselho Português para a Paz e Cooperação, em conjunto com outras organizações, lança uma nova petição "Pela adesão de Portugal ao Tratado de Proibição de Armas Nucleares - Defender a paz é defender a vida", que convida todos a subscrever e divulgar.

    A subscrição pode ser efetuada em https://peticaopublica.com/pview.aspx?pi=ProibirArmaNuclear

  • pela adesao de portugal ao tratado de proibicao de armas nucleares defender a paz e defender a vida 1 20200716 1216001674
     
    Foi há três anos – 7 de Julho de 2017 – que foi aprovado o Tratado de Proibição de Armas Nucleares por 122 Estados participantes na conferência das Nações Unidas convocada para estabelecer um instrumento vinculativo que leve à eliminação deste tipo de armas tão perigosas para a humanidade.
    Por isso, o Conselho Português para a Paz e Cooperação, em conjunto com outras organizações, lançou uma nova petição "Pela adesão de Portugal ao Tratado de Proibição de Armas Nucleares - Defender a paz é defender a vida", que convida todos a subscrever e divulgar.
    Leia o texto da petição:
  • É com grande satisfação e esperança que as forças anti-imperialistas e da paz saúdam o mais recente evento da reaproximação entre os líderes coreanos, o Encontro de Alto Nível Coreano na Casa da Paz, em Panmunjom, em 27 de abril, que resultou em um consistente e auspicioso compromisso.

    "Não haverá mais guerra na Península Coreana e assim se inicia uma nova era de paz", afirma a declaração bilateral do encontro. Fica evidente que o desejo do povo coreano é a paz, a prosperidade partilhada e a unificação.