Outras Notícias

Paz



  • Pensou ser pop rock mas os fados eram histórias de palavras e melodias, uma arte com gente dentro – com os seus amores, tristezas, angústias, incertezas e devaneios – e este era um universo onde poderia estar consigo próprio.

    Parte, assim, sem preocupações em seguir rituais, para um trabalho de pesquisa de letras e músicas do fado tradicional, um começar do princípio para poder dar continuidade e prolongar esta paixão com qualquer coisa de novo. Nascia, assim, “Fados Meus”, editado em 2004.

    Um empenho e uma entrega que levaram ao seu reconhecimento enquanto fadista, poeta, compositor, “cantautor” – através do prémio de Fadista Revelação; do convite de Maria da Fé para ser residente na mítica casa de fados “Senhor Vinho”, onde continua; das solicitações frequentes para concertos, programas de televisão e rádio; do lancamento do segundo disco de originais – “Aquelas Coisas da Gente” - ou ainda dos convites internacionais que já levaram as suas histórias a Espanha, Grécia, Suiça, Holanda, Finlândia, Macau, Itália, Rússia ou Guiné-Bissau.

    De “Évora Doce” a “Mistérios de Lisboa”, tem sido seu o privilégio de trabalhar com nomes como Janita Salomé, Vitorino, José Fonseca e Costa, entre tantos outros sem os quais não seria possível continuar a ser tão autêntico naquilo que faz.

    www.facebook.com/pages/Duarte

  • Grupo de Cantares Tradicionais do Clube TAP Portugal

    O Grupo de Cantares Tradicionais do Clube TAP Portugal faz parte integrante do Grupo de Danças e Cantares do Clube TAP Portugal.

    Criado apenas como Grupo de Folclore em outubro de 1977, tem participado em conjunto ou separado em inúmeros espetáculos dentro e fora do País contribuindo assim para a divulgação da nossa cultura tradicional através das danças e cantares, promovendo também a TAP Portugal e o País.

    Foi este Grupo galardoado com a Medalha e Diploma de Mérito atribuido respectivamente, pela Secretaria de Estado da emigração e das Comunidades Portuguesas.

    O Grupo de Cantares Tradicionais tem um CD editado, estando previsto brevemente a gravação de outro CD assinalando o 40º Aniversário.

  • LUÍSA ORTIGOSO

    Iniciou a sua actividade no Grupo de Teatro de Amadores da Sociedade Guilherme Cossul.

    Estreia-se como profissional na Companhia de Teatro de Almada - Grupo de Campolide, no espectáculo “A Queda de um Anjo”, adaptação da obra homónima de Camilo Castelo Branco.

    Desenvolve uma intensa carreira que já passou, além do teatro, pela televisão, vídeo, rádio, música e o ensino.

    #concertopelapaz #CPPC #Lisboa

  • CUADRO FLAMENCO

    Cuadro Flamenco nasceu, com a formação que ainda hoje se mantém, no ano de 2000. Mulheres e o Flamenco é o mote na criação.

    Cuadro Flamenco, tem-se apresentado nas várias localidades do país, quer seja em Teatros, ou Auditórios, quer em espetáculos ao ar livre. De salientar as apresentações nos Casinos da Figueira da Foz, do Estoril, 1ª parte do Espetáculo de Cesária Évora (por ocasião da abertura da Feira de Artes e Cultura de Monsaraz), na FIL, Expo 98, no âmbito do 1º 2º Encontros Nacionais de Dança, em Tomar e Beja, respetivamente, e em Outubro de 2000, apresenta-se na FNAC, naquele que foi o primeiro espetáculo de Dança da Fnac em Portugal.

  • TIM

    Nestes tempos em que a desvalorização da paz e da amizade entre povos é constante torna-se ainda mais necessário ter uma posição forte na defesa de valores que permitiram concretizar muitas coisas boas na educação, na saúde e na tomada de consciência de um mundo global onde só com ajuda e cooperação podemos resolver os problemas de sermos humanos.

    A minha e vossa participação neste Concerto pela Paz é por si só uma tomada de posição!

    #concertopelapaz #CPPC #Lisboa TIM

  • RITA & O REVÓLVER

    Banda que se estreou em 2014 na Festa do Avante., tendo já actuado no Vodafone MEXEFEST 2015, Casa Independente, Teatro do Bairro, Clube Ferroviário, OutJazz, entre outros locais.

    Actuamente a preparar um EP que antecede o CD de estreia, a banda reune a voz soul de Rita Cruz, atriz de formação, Rui Alves na bateria, na guitarra Tiago Santos, José Moz Carrapa no baixo, nos teclados João Cardoso e Hugo Menezes nas percussões – músicos veteranos da música portuguesa, tendo colaborado com “Cais Sodré Funk Connection”, “Cool Hipnoise”, Salada de Frutas, Sérgio Godinho, Tim, Vitorino, Ala Dos Namorados entre outros.

    RITA & O REVÓLVER assume a tradição revolucionária do cancioneiro negro. Dos blues de Leadbelly à soul de Marvin Gaye, Curtis Mayfield ao ritmo hipnótico do afro-funk, a banda junta versões e originais em português cujos temas abordam a luta pelos direitos dos povos e das minorias. A mistura é explosiva e a cantiga é uma arma, mas com a RITA & O REVÓLVER também se dança.

    #concertopelapaz #CPPC #Lisboa

  •  

    A guitarrista Luisa Amaro, sobe aos palcos para mostrar que a guitarra portuguesa está mais viva que nunca. Dona de uma sonoridade ao mesmo tempo supreendente e reconfortante, Luisa Amaro, com a paixão que a caracteriza, conquistou novas paisagens para o instrumento consagrado por Carlos Paredes. Num cruzamento de culturas, resgatando a portugalidade mourisca, Luisa Amaro oferece-nos uma arte que enleva e exalta, tranquila e entusiasta da vida.

    www.facebook.com/LuisaAmaro.Oficial

  • Iniciou a sua actividade no Grupo de Teatro de Amadores da Sociedade Guilherme Cossul.

    Estreia-se como profissional na Companhia de Teatro de Almada - Grupo de Campolide, no espectáculo “A Queda de um Anjo”, adaptação da obra homónima de Camilo Castelo Branco.

    Desenvolve uma intensa carreira que já passou, além do teatro, pela televisão, vídeo, rádio, música e o ensino.

    www.facebook.com/pages/Luísa-Ortigoso-actriz/



  • Constituído por crianças a partir dos 4 anos de idade, a Oficina do Canto destina-se a fomentar o gosto pela música e pelo canto nas camadas mais jovens .

    O coro dirigido por Maria do Amparo apresentou-se pela 1ª vez ao público a 8 de Março de 1997 com grande sucesso.

  • Paulo Ribeiro e Jorge Moniz partilham o palco para interpretar canções em conjunto, este encontro resulta da cumplicidade pessoal e artística entre estes dois músicos que nos últimos anos têm desenvolvido vários projectos musicais em parceria.

    Paulo Ribeiro, cantor e compositor natural de Beja, o seu nome está ligado a projectos como Anonimato, Eroscópio, Baile Popular, Tais Quais ou Mosto, este último uma nova abordagem ao cante alentejano, manifestação cultural pela qual é profundamente apaixonado.
    O seu mais recente trabalho de originais a solo intitula-se " No silencio das casas", onde contou nomeadamente com a participação especial das vozes de Viviane e Zeca Medeiros.

  • Famosa banda Rock lisboeta fundada no Verão de1986 constituida por João San Payo, João Alves e Sandro "Dosha" Oliveira.

    www.facebook.com/PESTE.E.SIDA

  • Leia a intervenção de Ilda Figueiredo no Concerto pela Paz:

    Minhas Senhoras e Meus Senhores,
    Estimadas Amigas e Amigos da Paz
    Em nome da Direcção do Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC) saúdo todas as pessoas presentes neste magnífico Concerto pela Paz, no Teatro Rivoli, só possível com o empenhamento de muitos artistas e grupos que aqui intervêm hoje, envolvendo mais de 150 pequenos e grandes artistas, e para quem vai o nosso caloroso aplauso.
    Ao Bando dos Gambozinos, ao Conservatório de Música do Porto, ao Ginasiano escola de dança, ao Coral de Letras da Universidade do Porto, ao músico Miguel Araújo e sua equipa e à actiz Rebeca Cunha que apresenta este espectáculo vão os nossos mais profundos agradecimentos pela sua generosidade e solidariedade.


  • Samuel Quedas, nascido em 1952. Os primeiros vinte anos de vida são uma sucessão de “mal entendidos”, envolvendo uma Igreja à qual não quer pertencer e um curso apontado para a economia, que não quer seguir. Quando finalmente escolhe a História, descobre que a História já tinha outros planos: apresentar-lhe pessoalmente José Afonso.

  • Sebastião Antunes, mentor do grupo Quadrilha, já com oito álbuns editados e centenas de concertos em Portugal e no Estrangeiro.

    O músico inicia a sua carreira em 1993, com um primeiro álbum de nome “Contos de Fragas e Pragas”, onde começa um percurso apoiado nas raízes da tradição portuguesa, com incursões à música pop, e muitas influências vindas da então chamada Música Celta proveniente da Galiza, Irlanda, Escócia e Bretanha.

  • concerto pela paz coimbra 2017 1 20170510 1209959877

  • concerto pela paz coimbra 2019 1 20190422 1387130783

  • concerto pela paz gaia 2019 1 20190329 1294096654

    Foi um êxito o quarto Concerto pela Paz que o Conselho para a Paz e Cooperação (CPPC) organizou no Auditório Municipal de Gaia, no passado dia 22 de Março, com apoio da Câmara Municipal e da Federação das Colectividades de Vila Nova de Gaia.

    Pelo palco, passou o canto das crianças e jovens do Coro da Orquestra Juvenil de Gaia, dirigido por Luisa Castro; ouviu-se a música da Orquestra Ligeira de Avintes e os solistas Vera Mesquita (soprano) e João Robalinho (barítono), dirigidos pelo professor e maestro Rufino Moura; o Ginasiano, que encantou com a dança, em três variações, do clássico Deus dourado, de D.Quixote e o Dueto do Festival das Flores, interpretados por alunos do Curso Artístico de Dança; os poemas de Sophia de Mello Breyner Andresen, poeta comprometida com o mundo, que, no contexto do centenário do seu nascimento, foram lidos pelas actrizes Alzira Santos, Dina Fonseca e Andreia Rocha, da associação Ilha Mágica. Seguiu-se uma intervenção da Classe de Percussão da Escola de Música de Perosinho, do Professor Hugo Vieira, usando o papel, e a terminar, o grupo de Danças Andinas, INTICHASKI, encantou a assistência numerosa, onde não faltou a encenação de um belo texto lido pelo ator David Cardoso.

    A atriz Rebeca Cunha apresentou o Concerto pela Paz e leu o poema Ode à Paz, de Natália Correia, e Ilda Figueiredo, presidente da direção do CPPC agradeceu a generosidade dos artistas, escolas e associações que participaram, da CM de Gaia e da Federação das coletividades que apoiaram, explicou algumas atividades do CPPC em Gaia, reafirmou a importância da defesa da Paz, dizendo não às agressões e violências que põem em causa o direito dos povos à felicidade e à Paz e proclamou com o público, em uníssono, " Sim à Paz ! Não à guerra!

  • concerto pela paz matosinhos 2019 1 20191130 1221962617

    O Concerto pela Paz, promovido pelo Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC), no dia 24 de novembro, com o apoio da Câmara Municipal de Matosinhos, do Teatro Municipal Constantino Nery e das várias organizações e artistas que solidariamente aceitaram participar, esgotou a sala e foi um momento importante de proclamar a uma só voz “ Paz sim! Guerra Não!” e manifestar a solidariedade com povos em luta pelo seu direito soberano de escolher o seu caminho de progresso social e de paz.

    Pelo palco passaram e brilharam muitos agrupamentos de Matosinhos – o grupo Jimi & The Carpets do rock alternativo. A a Academia de Dança de Matosinhos com o seu bailado “De Lugar Nenhum” a alertar os jovens para a maior crise humanitária desde a 2ª Guerra Mundial – a crise dos refugiados. O Ensemble de Sopros e Percussão da Escola de Música Óscar da Silva" e o Órfeão de Matosinhos, todos a darem um importante contributo para a promoção da paz, e a Banda de Matosinhos-Leça a encerrar de modo brilhante este primeiro Concerto pela Paz em Matosinhos que foi apresentado pela jovem Luísa Pina.

    Na sua intervenção, Ilda Figueiredo, presidente da Direção Nacional do Conselho Português para a Paz e Cooperação, depois de agradecer a generosidade dos grupos e artistas que participaram e a colaboração e apoio da CM de Matosinhos, dos técnicos do Teatro Constantino Nery e de todos os amigos da paz que ali estavam presentes salientou a importância da defesa da paz, referiu-se ao apelo do Papa Francisco para a eliminação das armas nucleares e anunciou que o CPPC vai lançar nova petição para que Portugal assine e ratifique o Tratado de Proibição das Armas Nucleares (ver base da intervenção).

    Por sua vez, a presidente da Câmara Municipal de Matosinhos também agradeceu a organização e participação de todos no Concerto pela Paz, referiu-se à sua importância na promoção da paz e mostrou a disponibilidade do município no apoio a atividades no âmbito da cultura da paz e da educação para a paz.

    No encerramento, Luisa Pina agradeceu e afirmou que pela Paz, todos não somos demais

  • concerto pela paz porto 2019 1 20181125 1073910957