pela paz no medio oriente nao a guerra contra o irao 1 20200128 1795097182

Comprometidas com os valores inscritos na Constituição da República Portuguesa e na Carta das Nações Unidas, expressamos a nossa condenação pela perigosa escalada belicista dos EUA no Médio Oriente.

As ameaças da Administração Trump de desencadear uma guerra de agressão contra o Irão, na sequência dos ataques norte-americanos no Iraque, no inicio deste ano – de que resultou o assassinato de importantes dirigentes militares iranianos e iraquianos –, assumem uma enorme gravidade e devem ser repudiadas por todos quantos se colocam do lado da paz, da soberania e do direito internacional.

 

Os EUA são os primeiros responsáveis pelo aumento da tensão no Médio Oriente na sua tentativa de espoliar recursos e controlar rotas e territórios.
Foram os EUA que se retiraram do «Acordo Nuclear» com o Irão. São os EUA que impuseram – de forma unilateral e com carácter extra-territorial – sanções e um bloqueio contra o Irão, com negativas consequências económicas e sociais para o povo iraniano.
São os EUA que recusam a saída das sua tropas do Iraque, mesmo após o pedido neste sentido por parte das autoridades deste país.
São os EUA que deslocam milhares de soldados para junto das fronteiras do Irão.
São os EUA que apelam à NATO para apoiar a sua estratégia belicista no Médio Oriente.

A cumplicidade e apoio à ilegal ocupação de territórios da Palestina e à opressão do povo palestino por Israel, a guerra contra o Iraque, a Líbia, a Síria ou o Iémene, a desestabilização de todo o Médio Oriente, demonstram que os EUA e os seus aliados continuam a representar a principal ameaça à paz, à soberania, aos direitos dos povos, ao direito internacional.

Solidárias com os povos vítimas de agressão, nomeadamente na martirizada região do Médio Oriente, saudamos os que em todo o mundo se erguem em defesa da paz e recusam a guerra contra o Irão, e instamos:

- À retirada das forças militares norte-americanas da região, possibilitando a reconstrução soberana dos países e povos agredidos no Médio Oriente pelos EUA e seus aliados;

- A que as autoridades portuguesas, no respeito pelos princípios da Constituição da República Portuguesa, condenem inequivocamente as violações do Direito Internacional pelos EUA e advoguem a solução negociada dos conflitos, rejeitando a ameaça ou o uso da força nas relações internacionais e respeitando a soberania e independência dos Estados;

Organizações subscritoras:

Associação Conquistas da Revolução
Associação Cultural Yoruba de Cuba em Portugal
Associação de Amizade Portugal – Cuba
Associação Intervenção Democrática
Associação Portuguesa de Amizade e Cooperação Iúri Gagárin
Colectivo da Associação de Cubanos Residentes em Portugal
Colectivo Latino-americano e Caribenho de Jornalistas e Escritores
Confederação Geral dos Trabalhadores Portugueses – Intersindical Nacional
Confederação Nacional de Reformados, Pensionistas e Idosos
Confederação Portuguesa de Quadros Técnicos e Científicos
Conselho Português para a Paz e Cooperação
Ecolojovem – Os Verdes
Federação Intersindical das Indústrias Metalúrgicas, Químicas, Eléctricas, Farmacêutica, Celulose, Papel, Gráfica, Imprensa, Energia e Minas
Juventude Comunista Portuguesa
Movimento Democrático de Mulheres
Movimento pelos Direitos do Povo Palestino e pela Paz no Médio Oriente
Sindicato dos Trabalhadores do Município de Lisboa
Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Administração Local e Regional, Empresas Públicas, Concessionárias e Afins
União de Resistentes Antifascistas Portugueses
União dos Sindicatos de Lisboa
União dos Sindicatos do Distrito de Leiria
União Sindical de Torres Vedras, Cadaval, Lourinhã, Mafra e Sobral de Monte Agraço