Outras Notícias

  • Faleceu Carlos do Carmo 04-01-2021

    Ao tomar conhecimento do falecimento de Carlos do Carmo, personalidade ímpar da cultura portuguesa, da música, um dos maiores intérpretes do fado, democrata e...

  • CPPC homenageia Rui Namorado Rosa e 70 anos de luta pela paz 17-03-2019

    O CPPC homenageou Rui Namorado Rosa, membro da sua Presidência e que durante anos assumiu as funções de presidente e vice-presidente da direcção nacional. A...

  • Faleceu Armando Caldas 13-03-2019

    Hoje, 13 de Março de 2019, o encenador e actor, membro da Presidência do Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC), Armando Caldas, deixou-nos. Com um...

  • Homenagem a Rui Namorado Rosa 11-03-2019

    O Conselho Português para a Paz e Cooperação tem o privilégio de contar com a participação, nos seus órgãos sociais, de Rui Namorado Rosa, que foi seu...

  • Falecimento de Vítor Silva 08-08-2018

    A Direcção Nacional do Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC) lamenta informar do falecimento de Vítor Silva, ocorrido na madrugada de hoje. Membro do...

No dia em que se assinalam 50 anos da ocupação militar israelita, em 1967, dos territórios palestinianos da Cisjordânia, da Faixa de Gaza e de Jerusalém Oriental, e também dos Montes Golã sírios, de parte do Sinai egípcio e das Quintas de Shebaa libanesas, o Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC) reafirma a sua solidariedade e determinação de prosseguir a sua histórica intervenção pela justa causa do povo palestiniano.

Evocar meio século de ocupação da totalidade da Palestina, que se seguiu a uma primeira vaga de expulsão dos palestinianos com a criação do Estado de Israel, em 1948, é denunciar os sucessivos crimes e massacres cometidos contra a população palestiniana; é recordar as aldeias arrasadas, as terras roubadas, as casas demolidas; é lembrar os milhares de presos, incluindo crianças, e os milhões de refugiados espalhados pelo mundo; é ter presente a humilhação diária que é imposta às populações palestinianas, com os colonatos, os postos de controlo, o muro de segregação, o cerco à Faixa de Gaza, e as dramáticas condições de sobrevivência que são impostas pelas autoridades israelitas e a sua política sionista ao povo palestiniano.

Estas últimas décadas ficam ainda marcadas pela tenaz resistência do povo palestiniano, que se bate corajosamente contra a ocupação israelita e prossegue a sua luta quotidiana pelos seus inalienáveis direitos nacionais. Uma firme e inabalável resistência que tem contado no mundo com a solidariedade das forças da paz, da libertação nacional e do progresso social. Incluindo em Israel, onde o movimento pela paz e as forças progressistas lutam pelo fim da ocupação israelita, pelo cumprimento do direito internacional, pela paz e a estabilidade no Médio Oriente.

O CPPC assumiu desde sempre a defesa dos direitos do povo palestiniano, ao dinamizar um vasto conjunto de acções – de dimensão e expressão nacional e internacional – de denúncia e condenação da ocupação israelita, de afirmação do direito do povo palestiniano ao seu Estado e por uma paz justa no Médio Oriente. Pela sua importância e impacto internacional a realização, destaca-se a realização da Conferência Mundial de Solidariedade com o Povo Árabe e a Palestina, em Lisboa, em 1979, na qual participou Yasser Arafat, Presidente da Organização da Libertação da Palestina (OLP), que se deslocou então e pela primeira vez a um país Ocidental da Europa. O CPPC promoveu, por iniciativa própria ou em parceria, inúmeras conferências, seminários, debates, manifestações, concentrações e petições, visitas e missões ao Médio Oriente, incluindo aos territórios palestinianos ocupados, e, sobretudo, uma regular acção de esclarecimento que contribuiu para alargar o campo dos portugueses solidários com a Palestina e a luta do seu povo contra as agressões e ocupação militares de Israel.

Seguro da justeza da causa do povo palestiniano e do caminho de solidariedade trilhado, o CPPC reafirma o seu compromisso de continuar a intervir pelo fim da ilegal ocupação israelita e a criação de um Estado palestiniano independente e viável nas fronteiras anteriores a Junho de 1967, com capital em Jerusalém Oriental e o respeito pelo direito ao regresso dos refugiados, no cumprimento do direito internacional e de sucessivas resoluções das Nações Unidas.

5 de Junho de 2017
Direcção Nacional do CPPC