Outras Notícias

 

Associando-se a outras tomadas de posição públicas, o Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC) denuncia a detenção por Israel de Khaleda Jarrar, deputada do Parlamento palestino, na madrugada de 2 de Abril, em Ramallah.

Khaleda Jarrar preside à Comissão dos Presos Palestinos do Conselho Legislativo Palestino e é dirigente da Addameer, organização dedicada à defesa dos direitos e à libertação dos palestinos presos em prisões israelitas.

Recorde-se que há mais de seis mil palestinos presos nas prisões israelitas, dos quais 454 em prisão administrativa. Segundo os dados disponíveis, em Fevereiro de 2015, 163 dos presos palestinos são crianças, sendo que 13 das quais têm menos de dezasseis anos.

Israel mantém detidos outros 18 deputados palestinos, 9 dos quais em detenção administrativa, sem processo nem culpa formada.

A deputada de 52 anos, advogada, dirigente da Frente Popular para a Libertação da Palestina e activista pela defesa dos direitos das mulheres, está impedida por Israel de viajar para fora da Palestina desde 1998 e apesar de sofrer de doença crónica apenas uma vez foi autorizada a viajar para tratamentos.

Condenando a detenção de Khaleda Jarrar, o CPPC:

- Denuncia as constantes violações dos direitos do povo palestino e do Direito Internacional por parte das autoridades de Israel e exige a imediata libertação de Khaleda Jarrar e dos restantes deputados palestinos, assim como de todos os presos palestinos encerrados nas cadeias israelitas;

- Reclama, do Governo português que, no respeito pela Constituição da República, e ainda pelas disposições do direito internacional, uma actuação crítica perante o incumprimento sistemático de Israel do direito internacional;

- Apela aos deputados portugueses na Assembleia da República e no Parlamento Europeu para que manifestem a sua solidariedade com Khaleda Jarrar e com os restantes deputados palestinos presos por Israel;

- Apela a todas as pessoas e organizações empenhadas na defesa da Paz e dos direitos dos povos para que denunciem esta situação de reiterado incumprimento por Israel dos mais elementares direitos do povo palestino, exigindo a libertação imediata de Khaleda Jarrar, assim como de todos os presos palestinos encarcerados nas prisões israelitas.

6 de Abril de 2015

A Direcção Nacional do CPPC